Mais brasileiros antecipam 13º salário para bancar alimentação

4468 views

economia

Levantamento realizado pela empresa de cartões Multibenefícios mostra que mais brasileiros anteciparam o 13º salário para custear despesas do dia-a-dia, como alimentação.

De acordo com a pesquisa, no primeiro semestre deste ano, 81% dos que pediram adiantamento usaram o salário extra para pagar comida; nos primeiros seis meses de 2017, foram 78%. Os restantes 19% dos trabalhadores gastaram o recurso adicional, neste ano, em outros itens, como eletrônicos, vestuário e entretenimento.

Ainda segundo o levantamento, 71% dos trabalhadores que mais recorrem ao adiantamento financeiro são os responsáveis pela manutenção da casa e ganham de 1 a 5 salários mínimos.
“Pela análise que fizemos, essas pessoas são, em geral, chefes de família. Com a crise econômica, o aumento no custo de vida e a dificuldade de planejamento financeiro que o brasileiro culturalmente tem, a organização das contas da família ficou mais complicada”, lembra Sheila Moura, gerente geral de Multibenefícios.

Vários bancos oferecem a antecipação do 13º no primeiro semestre e quem contrata esse tipo de crédito pega o valor com a instutuição e devolve–com juros– quando receber o abono natalino, em dezembro. A primeira parcela do abono deve ser paga até 30 de novembro; a segunda parte as empresas devem depositar até 20 de dezembro.

Os especialistas em finanças são unânimes em considerar que a antecipação do 13º só deve ser feita em casos de extrema necessidade, como uma emergência de saúde, ou para quitar uma dívida alta no cartão de crédito ou cheque especial, que têm juros superiores a 270% ao ano. Neste tipo de operação, os juros partem de 1,99% ao mês

“É um empréstimo, com taxas menores do que outros, porque o banco tem a garantia que o cliente terá como pagar, mas só deve ser usado em casos de extrema necessidade”, diz a economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

“Se a pessoa antecipar, terá que lembrar que não terá o dinheiro extra para as despesas de final de ano e dos impostos de janeiro”, lembra ela.

Print Friendly